V Congreso Internacional de Historia y Patrimonio Ferroviario y de la IV Jornada de Jóvenes Investigadores

V Congreso Internacional de Historia y Patrimonio Ferroviario y de la IV Jornada de Jóvenes Investigadores

Projeto Memória Ferroviária – UNESP. Brasil

Damos la bienvenida a los participantes del V Congreso Internacional de Historia y Patrimonio Ferroviario y de la IV Jornada de Jóvenes Investigadores.

El evento tendrá lugar a partir de mañana, 9 de septiembre y llegará hasta el 11 de septiembre.

Estamos muy contentos con las diversas contribuciones presentadas sobre el estudio del Patrimonio Ferroviario, como las que ocurrieron durante la Mesa 1, que traen la mirada educativa a las cuestiones patrimoniales. Además, el balance realizado durante la sesión especial puede mostrar el carácter multidisciplinar de estudios sobre el tema y su articulación dentro del proyecto Memoria Ferroviaria.

Terminamos el segundo día de evento con la satisfacción de poder escuchar palabras tan animadoras que nos hacen repensar la investigación sobre el Patrimonio Ferroviario. La Mesa 2 se ocupó de las relaciones entre museos y ferrocarriles, llamando la atención sobre cuestiones relacionadas con la historia, los discursos de desarrollo nacional y la tecnología.

Para finalizar el tercer y último día del Congreso, tuvimos discusiones sobre la gestión y conservación del sistema ferroviario en el territorio, tomando como ejemplo casos de estudios en Argentina, Chile y Brasil.

Los días 9, 10 y 11 de septiembre fueron de mucho aprendizaje, conferencias consistentes y profunda reflexión sobre diferentes temas: paisaje, patrimonio, historia, arquitectura, territorio, museología, educación, psicología, geografía y tantos otros, reforzando el carácter multidisciplinar del estudio del Patrimonio Ferroviario.

La Comisión Organizadora agradece a todos los conferencistas, presentadores y oyentes por la participación en el V Congreso Internacional de Historia y Patrimonio Ferroviario Ferroviário IV Jornada de Jóvenes Investigadores en Patrimonio Ferroviario.

V Congresso Internacional de História e Patrimônio Ferroviário e a IV Jornada de Jovens Pesquisadores em História e Patrimônio Ferroviário (São Paulo, Brasil) são eventos que pretendem estimular o conhecimento nas áreas de história, urbanismo e patrimônio ferroviário, num esforço conjunto do Grupo de Pesquisa Memória Ferroviária, da Universidade Estadual Paulista – UNESP e do Grupo de Pesquisa Patrimônio, Políticas de Preservação e Gestão Territorial do POSURB-ARQ da Pontifícia Universidade Católica de Campinas, no estado de São Paulo.

A história e o patrimônio ferroviário já foram temas de outros eventos internacionais apoiados pelo TICCIH e outras representações nacionais latinoamericanas, dentre os quais os VI Seminário de Patrimônio Ferroviário (2012) e o Congresso de História Ferroviária organizado pelo TICCIH/Argentina (Mendoza, 2017). O congresso da AIHC já tinha ocorrido na América Latina, com apoio do TICCIH/Chile (Santiago do Chile, 2015). Dessa forma, o TICCIH e a AIHC apoiaram a iniciativa de promover o V Congresso Internacional de História e Patrimônio Ferroviário em Campinas, em 2020, com o intuito de discutir questões sobre preservação relevantes para os países da América Latina: gestão territorial, educação e comunicação
patrimonial.

O subtítulo “Os legados para nosso futuro” sinaliza a importância que se pretende dar à reflexão sobre as condições atuais do patrimônio ferroviário e o papel que poderá ter no futuro, como antigo e ainda potencial elemento de estruturação urbana. O evento abrange três temas centrais, que receberam excelentes contribuições de pesquisadores e estudantes, que permitem observar os avanços na pesquisa e na gestão da preservação e uso dos bens ferroviários para o desenvolvimento social.

Cada uma das temáticas apresenta um conjunto de questões atuais e pertinentes ao contexto brasileiro e latino-americano. Em “educação e ferrovias”, os debates estabelecem estreita relação entre a preservação patrimonial e a educação, vista como uma oportunidade de estímulo ao aprendizado por meio dos bens industriais ferroviários, num contexto atual de grandes desigualdades socioeconômicas. Se a permanência dos trilhos e estações permite a imersão no conhecimento sobre a história da cidade, a educação pode estimular o debate sobre a importância da preservação para a formação cidadã.

A instituição museológica tem um reconhecido papel no campo da preservação patrimonial. Contudo, é preciso destacar e discutir como ela se instala e se apropria dos espaços construídos. Em “museus e ferrovias”, a segunda temática, procura-se problematizar a adequação do espaço arquitetônico das estações para a instalação de museus (locais ou regionais), num contexto de abandono (desde os anos 1970) seguido por uma reutilização das estruturas ferroviárias para uso cultural. Se, por um lado, há a recorrência do “uso cultural” para antigos edifícios, como forma de enobrecimento dos espaços patrimoniais, por outro, constata-se uma forma de “loteamento” dos espaços ferroviários por usos institucionais ou temporários, num processo típico de subutilização, que resulta no esvaziamento do significado desses bens.

Com a temática “gestão da herança ferroviária no território” propõem-se enfrentar o debate da preservação patrimonial como questão do urbanismo. Isso significa dar ênfase às questões do planejamento e gestão territorial, superando a visão da preservação da arquitetura isolada, com função meramente estética ou simbólica, sem considerar as dinâmicas urbanas contemporâneas, que resultam em processos de valorização dos contextos, e sem a necessária compreensão dos processos de disputa dos diferentes grupos e agentes atuantes nos territórios.

Em resumo, propõe-se um espaço de discussão nacional e continental, com participação de acadêmicos, profissionais, técnicos, representantes de entidades ou empresas, envolvidos diretamente com a história, a preservação e gestão do patrimônio ferroviário nas temáticas propostas.

Como forma de estender as discussões propostas nesse evento, ocorre, concomitantemente, a IV Jornada de Jovens Pesquisadores, onde são apresentados os resultados científicos alcançados por estudantes de graduação e pós-graduação sobre história ferroviária, estudos urbanísticos e de preservação do patrimônio industrial ferroviário. É um evento anual e faz parte das atividades de difusão científica dos resultados da equipe de pesquisadores e discentes do Projeto Memória Ferroviária que, nessa versão, foi ampliado à participação de estudantes de outras instituições. O projeto de pesquisa vem sendo desenvolvido há dez anos, com financiamentos da FAPESP e do CNPq. Iniciado em 2017 como seminário interno de formação dos membros da equipe, desde 2019 abriu-se para o público acadêmico mais amplo, com o intuito de aprofundar o debate e estimular perspectivas inovadoras e interdisciplinares em pesquisas nos âmbitos nacional e latino-americano, assim como a formação de futuros pesquisadores.

Desta forma, os temas correlatos definidos para apresentação oral e publicação nos anais desse evento, com abordagens que vão do uso dos remanescentes ferroviários como lugares de aprendizado da história do trabalho e da formação das cidades à discussão sobre a reativação do transporte ferroviário e os critérios e instrumentos para sua gestão, são: “novos instrumentos metodológicos e/ou enfoques teóricos para identificação de vestígios materiais e da memória ferroviária”, “Novas fontes documentais ou materiais para estudo do patrimônio urbano e da memória do trabalho ferroviário”, “estudos multidisciplinares sobre patrimônio ferroviário” e “estudos locais e análises transversais sobre a história, a arquitetura e os contextos urbanos do patrimônio ferroviário”.

Com os eventos em paralelo, buscou-se propiciar o rebatimento mútuo de hipóteses e métodos presentes nas pesquisas realizadas em âmbito internacional e nos trabalhos em andamento de jovens pesquisadores do tema, num movimento que se pretende permanente de interação e aprendizado recíproco.


Prof. Dr. Eduardo Romero de Oliveira
Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”

Profa. Dra. Maria Cristina da Silva Schicchi
Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin